quinta-feira, dezembro 13, 2007

Terroristas na tribuna

Os senadores petistas deram um show de desespero na votação da prorrogação da CPMF, na noite de quarta-feira(12/12). Quem acompanhou as quase oito horas de votação viu narinas estufadas, murros, berros e, principalmente, ameaça atrás de ameaça. Não há como eleger o pior dentre eles, mas o discurso do senador Aloísio Mercadante (PT-SP) (foto), pela sua oratória fluente, para mim, foi o mais assustador.

Diziam os "terroristas-senadores-petistas-pró-CPMF" que, sem a contribuição, o pobre que necessita do Bolsa Família seria prejudicado. Diziam, também, que a saúde e a previdência virariam um caos.
Horas depois, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) (foto) leu uma carta enviada pelo presidente Lula em que Lula se compromentia a aplicar 100% da CPMF na saúde.

Ora, se é possível aplicar 100% da CPMF na saúde, então quer dizer que, sem ela, o Bolsa Família e a Previdência caminhariam sem problema? Quer dizer que o corte da CPMF nunca foi um risco para as "políticas sociais" do governo?

Com este discurso ameaçador e chantagista, o governo só deu mais provas de que - além de incompetente - não tem o mínimo de caráter. Mantém o povo refém em troca de R$ 40 bilhões por ano.

O pior é que, este povo com a faca apontada para a sua garganta é, nada menos, do que o próprio eleitor de Lula: os menos favorecidos de renda, educação, moradia, informação e esperança que, na falta de emprego e política social séria, precisam de um Bolsa Família para sobreviver.

E é este o povo que foi ameaçado pelo Governo. E é este povo que vai continuar pagando a conta porque, quem acha, que sem a CPMF, Lula e sua corja diminuirão os seus gastos, enganha-se completamente.
A CPMF tinha que acabar, assim como os gastos extravagantes deste governo também têm. Finalmente, a oposição mostrou que, quando quer, sabe fazer. Então, que continue segurando as rédeas deste país para que ele não naufraque nas futuras atitudes deste governo, que fará de tudo para punir o povo em troca dos R$ 40 bilhões da CPMF.
(fotos: Agência Senado)

Um comentário:

Maria Luiza disse...

Parabéns, Érika, pelo texto que tão claramente denuncia a hipocrisia em que se encontra o parlamento brasileiro.
Esse dinheiro NUNCA foi para a Saúde.
Trabalho na área há 25 anos, sempre foi difícil, mas o sucateamento galoupante que está ocorrendo agora "nunca antes nesse país" foi tão evidente.
Basta dar uma olhadinha rápida em qualquer unidade de saúde pública para constatar a tragédia com que servidores e usuários têm que lidar diuturnamente.
Além disso, penso que, se a votação da CPMF fosse fechada, o resultado seria outro...lembremos do Renan!
Portanto, preparemo-nos para a revanche que nesse exato momento deve estar sendo engendrada nos podres porões governamentais.
Eles não deixarão barato!