terça-feira, abril 10, 2007

Cadê o recheio do bolo?

Depois do resultado da pesquisa CNT/Sensus - que apontou aumento na aprovação do presidente e do governo Lula - peço demissão de jornalista e vou passar a falar sobre culinária. Prefiro ingredientes saborosos, dar dicas de como pilotar bem um fogão (que modéstia à parte conheço muito bem) e cultuar a saúde e o bem estar pela boca, do que tentar - em vão - apelar aos olhos e ouvidos dos brasileiros sobre um Brasil que, aprentemente, a grande maioria não vê.

Levando em consideração que a pesquisa esteja correta (porque neste país começo a duvidar cada dia mais de tudo e de todos!) a aprovação do presidente subiu para o mesmo patamar em que estava em maio de 2005, semanas antes de estourar o escândalo do mensalão. Como lembrou bem o comentarista Joelmir Beting, no Jornal da Band (10.04), isso quer dizer que a imagem de Lula resistiu ao mensalão, à crise aérea e ainda levou uma reeleição entre uma crise e outra. É muito prestígio para tanto descaso! Sem falar nos gastos com cartões de crédito (investigados pelo TCU), repasses irregulares às obras do PAN (também investigados pelo TCU), prorrogação da CPMF por mais 10 anos, envio do nosso dinheiro para países da América Latina, falta de investimento na segurança pública (entre muitas contradições da pesquisa, quase 91% dos entrevistados dizem que a violência aumentou!), etc (sim, vou apelar para o etcetera porque estou mesmo farta dessa besteira toda de política).

O que importa é que o brasileiro não quer saber de nada, só de ter seus benefícios pagos pelo governo e de andar de ônibus (porque "pobre anda de ônibus e não de avião", como dizem os lulistas), mesmo que as estradas estejam um caos e coloquem em risco a vida de famílias inteiras!

Pobre quer ter escola de graça (mesmo que as condições de ensino não sejam lá essas coisas - faltam carteiras, merenda, professores ETC, porque o dinheiro é desviado desde o Ministério da Educação até às prefeituras). Mas não importa, a escola é de graça... graças ao Lula! E viva o Lula, viva a cegueira do povo brasileiro!

O Jornal Nacional desta terça-feira preocupou-se em justificar o aumento da popularidade do populista. Segundo a reportagem, a diferença social caiu 4,6%. Mas é óbvio que caiu! O pobre hoje tem mais dinheiro no bolso (ou vales gás, refeição, ETC). Entre os mais ricos (entende-se banqueiros) a renda caiu apenas 1,2% enquanto a renda dos pobres aumentou em 36% (entre 2001 e 2005).

Se você, leitor, também sentiu falta da classe média nesta conta, tem uma explicação. Ela não existe mais. O governo conseguiu fazer com que grande parte da classe média fosse achatada e outra pequena parte (com sorte e influência) subisse para a classe mais alta. Em resumo - e falando em culinária - o recheio do bolo sumiu mas.... não importa. O que vale é que tenha bolo para a festa, regada à muito funk, pagode e linguiça no forno pra assar. Sem falar na cachaça, é claro.

PS: o que poucos se lembram é que a renda de muitos pobres e da "classe média" está vinculada aos milhões de empréstimos bancários. "Nunca antes na história desse país" o povo brasileiro teve tantos empréstimos, nunca antes teve tantas facilidades de pagamento... nunca antes o povo esteve tão endividado... enquanto os bancos, nunca antes tão ricos. Uma hora esta receita vai desandar!

PS2: antes que digam que estou "ferida" com o desaparecimento da classe média, não custa falar o que pode não ter sido entendido. Eu só não entendo como este povo, que merece tanto, se dê por satisfeito com as esmolas que recebe, ao invés de reivindicar o certo: emprego, oportunidade, saúde, estradas, escola (com equipamentos, professores, uniformes e merenda escolar), segurança (informatizada, equipada, limpa), ETC.

7 comentários:

Dila Pereira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dila Pereira disse...

Érika...
sinceramente ?
Eu acho que essa receita já desandou faz tempo, e não há bolo "D.Benta" ou de "pacote" que a substitua...
Daqui a pouco, nem as migalhas.

André Pavesi disse...

Oi Érika,
O pior de tudo é que existentem as pesquisas "compradas" e pior ainda as pesquisas que nem é preciso gastar dinheiro... Acho que neste caso é o que acontece mesmo, o povinho bunda esse brasileiro... não duvido nada que o barbudo esteja com essa aprovação que diz as pesquisas, afinal um país com tanto analfabeto e nordestinos (com respeito a minoria deles) tem que dar nisso, bolo de fubá !
bjs e parabéns pela "receita" !

kaike disse...

Érika,
Fiquei pensando que eu que fazia parte do recheio, agora não existo!!! Eita bolinho seco e amargo, difícil de engolir.
Vc me impressiona com tanta sabedoria sobre nossa história que ninguém nunca lembra. Cada fato que vc recorda, nos mostra como somos otários e sem memória.
Ótima idéia falar sobre culinária mas, por favor, jamais perca esse hábito de ver e nos mostrar esse Brasil do jeito que ele é.
te adoro
beijo

Maria Luiza Meyer disse...

Querida amiga...uma pérola esse texto! Mais uma vez faço minhas as suas palavras e o seu desânimo. Sabe onde está o recheio do bolo? Nos valores éticos perdidos aos poucos, dia após dia, por esse povo que não percebe a pobreza real...a pobreza da alma.
Mas, como você sabe, a minha teimosia insite em não me deixar vencer pelo cansaço e continuo investindo pesado nos meus filhos, sobrinhos, pacientes, colegas, amigos, todos a quem tenho acesso, no sentido de tentar resgatar um pouco do pouco que sobrou da vergonha na cara de cada um.
Temos uma ou duas gerações sem recheio, mas outras virão mais ricas e saborosas se alguns de nós persistirmos na busca incessante pelo recheio perdido.
Enquanto isso, vai nos passando as receitas mais gostosas que tiver, que pelo menos nosso paladar agradece e podemos deixar de sentir por alguns momentos o sabor amargo da realidade.
Beijos éticos!

Anônimo disse...

Érika!

Me parece que estás passando um tempo "italiana", não? Dei com teu blog porque estava em busca de receita de "bolo de abcaxi" e "bolo de pepino". Edito um jornal em Canoas-RS, há 18 anos ininterruptos. Nunca reservei espaço a receitas. Mas como quero ironizar a posse do novo prefeito - feliz ou infelizmente do PT, que quebrou um tabu de quase 30 anos - que terá que se defrontar e desmanchar as armadilhas que os "tucanos" e "petebistas" que comandavam o governo local há 8 anos, promoveram um serial de escândalos (obviamente que até agora, pelo menos, ninguém foi preso), e levaram em torno de uns R$ 200 mi em cinco anos (investigações do MPF, MPE, MPC, PF e processos atramitando na Justiça, obviamente que "em segredo de justiça"), me deparei com a tua questão "Cadê o recheio do Bolo?".

Ao ler os dados do blog, disse cá com meus também idignados botões, essa jornalista deve ser "gringa peninsular". E isso também chamou a minha atenção, porque sou filho de italiano nato, nascido em Gaiarine, Província de Treviso, na região de Vêneto, norte da Itália e de mãe brasileira, mas neta de italianos, nascida em Farroupilha na "Região de Cima dos Montes", no RS.

Não imagino em que região da Itália estás, mas apesar dos pesares, porque a vida na Península também não pe lá tão fácil, me parece melhor do que a multiplicidade de engodos que são "vendidos" pela chamada grande mídia (leia-se Globo, Bando, SBT, Record, Veja, IstoÉ, Época) como verdade verdadeira. Pesquisas, algumas são feitas outras campradas. Na única ve que fui entrevistado por pesquisadores sobre campanha eleitoral, jamais vi os resultados.

Estou, inclusive, escrevendo um livro - não confunfir que genalogia da família que isso aí é prá louco, o que não é meu caso - sobre a "La Famiglia", já que meu pai e meus avós paternos nasceram na Itália e vieram para o brasil em 1921, no porão de um "bastimento", dormitando sobre feno, como diz a letra da folclórica canção "Merica, Merica".

Se tiveres tempo poderás me prestigiar nos Blogs: "ESPAÇO GÓTICO" (http://xicojunior.blohspot.com )e no JORNAL ÉCO - DITO & FEITO (http://blig.ig.com.br/xicojr), entre outros sobre futebol, família, etc.

Parabéns pelos artigos. E se ainda estiveres pela Peninsula, sucesso e bom proveito!

Abraços,

Xico Júnior - Jornalista - Canoas-RS.
E-mail: frapagot@ibest.com.br

Anônimo disse...

Pisciana Érika!

Desculpe por alguns erros de digitação, como "genealogia", entre outros. Na Internet é tudo muito rápido.

Esse não precisa publicar. É apenas para que considere os erros pela pressa, ok?

Mais sucesso prá essa pisciana boa de crítica e pontiaguda.

Do Xico Júnior - Jornalista
E-mail: frapagot@ibest.com.br